De: 07/12/2017

Até: 23/12/2017

Horário: 21h00

Local: Complexo Cultural Funarte SP

Endereço: Alameda Nothmann, 1052 – Campos Elíseos - São Paulo

Entrada: a partir de R$10


Em alguns campos da arte, o “real” é estudado num território estético próprio. Foi o interesse por esta investigação que levou a Cia Fragmento de Dança a realizar a Ocupação Encontros na Cena Depoimento, no Complexo Cultural Funarte SP, com ações e espetáculos que discutem a expansão de materiais autobiográficos em propostas cênicas.

A ocupação já contou com 3 espetáculos, que ocorreram entre os dias 29 de novembro e 3 de dezembro, que foram “Alavancas e Dobradiças“, “Conversas com Meu Pai” e “Desmonte“. A partir do dia 7 se inicia o mais novo espetáculo da ocupação, “Eu Outro“, que vai até o dia 23 de dezembro. Confira abaixo a sinopse da peça.

Investigando o que vem chamando de Dança Depoimento, a Cia Fragmento de Dança invade, expõe e divide ambientes íntimos, não somente para falar de si, mas para tornar-se o outro. Foram vários procedimentos, todos com o intuito de perceber como arte e vida dizem uma sobre a outra e como memórias que nos constituem não são propriedades privadas. A visita à casa dos avós que já não lhes pertence mais, o afastamento das redes sociais, a revelação de experiências traumáticas do corpo, tudo quer estar visceral para existir nesse tempo do agora.

Confira abaixo os outros espetáculos que ocorrerão na ocupação:

VARAL DE NUVENS

Lagartixa na Janela

10/12/2017 – 17 horas

A performance dialoga com o movimento do vento, das brisas e das nuvens. Continuando a pesquisa em parques, praças e espaços públicos, Varal de Nuvens convida a todos a contemplar e criar jogos em cantos imaginários, dançar com tecidos em varais ao vento. Leveza, suavidade e delicadeza se alternam nesta performance abrindo espaço para o imaginário do espectador fluir e dançar junto com as performers.

=============

BREVES PARTITURAS PARA MUITAS CALÇADAS

Lagartixa na Janela

17/12/2017 – 17 horas

Essa performance dialoga com o espaço urbano, onde a calçada é o elemento de pesquisa e criação. A calçada é um universo, um território cheio de paisagens, de objetos e modos de estar… “A calçada é mar? É rio? É córrego? É quintal? A calçada ficava a beira de uma criança… A calçada é casa, é cama, mesa, jardim, cadeira, sala, banheiro, teatro, lojinha, sala de dança, lugar de brincar, espaço de ir e vir, de esperar, de encontrar, de se despedir… A calçada é uma margem de uma ilha chamada quarteirão…” (Uxa Xavier).

Não perca!